A Melhor e mais Moderna Clínica Odontológica de Venda Nova. 

Local:

Rua Padre Pedro Pinto, 445, Salas 301 a 307.Venda Nova - BH.

Orientações ao Paciente Submetido ao Tratamento Ortodôntico.

Entenda os cuidados que devemos ter durante o tratamento ortodôntico.

Por: Dr. Lucas Marques e Dra. Iáskara Duarte

 

1- Escove os dentes imediatamente após as refeições; Não esqueça o fio dental.

A escovação deve ser feita com escova macia 3 vezes ao dia. Existem no mercado escovas de dente específicas para quem usa aparelho, porém com a escova normal mesmo conseguimos a mesma qualidade de limpeza sem esforço adicional.

O uso do fio dental é indispensável. Para este podemos utilizar os famosos passa fios ou um fio dental encerado para facilitar.

Veja em nossa página do instagram como usar o fio dental com o aparelho.

2- Cuidados com a alimentação;

A partir do momento que se coloca aparelho fixo, o paciente deve evitar utilizar os dentes anteriores (da frente), para cortar alimentos mais consistentes. Todo cuidado é pouco no início do tratamento para não soltar nenhuma peça e atrasar o tratamento.

Ao usar aparelho ortodôntico fixo, alguns hábitos alimentares precisam mudar. Por isso, aqui vão algumas dicas de alimentos que devem ser evitados.

Alimentos duros podem causar dificuldade de mastigação e quebrar os braquetes do aparelho, como por exemplo pé de moleque, rapadura, amendoim, castanhas, nozes, pipoca, pirulitos, etc. Evite também os alimentos pegajosos como chicletes, balas de goma, caramelo, etc.

Nunca morda diretamente o alimento! Eles tem que ser cortados em pedaços, para deixar a mastigação com os molares, que são mais resistentes.

Frutas cheias de sementes, como o kiwi, ou muito fibrosas, como manga, devem ser evitadas. Isso porque as sementes e fibras podem ser difícil de higienizar.

 

3- É normal sentir uma sensibilidade;

Nos 3 (três) primeiros dias após as ativações do aparelho, é comum sentir um incômodo. O nível de sensibilidade à dor varia de pessoa para pessoa. Isto acontece devido ao estímulo para a movimentação dos dentes. No inicio, o aparelho ortodôntico pode incomodar um pouco as bochechas, lábio e língua. Isso em função de uma reação normal do organismo a um corpo estranho, sendo que com tempo essa reação desaparece e cicatriza formando uma proteção natural.

4- Soltou ou está machucando?

Em caso de quebra do aparelho ortodôntico, ou caso o aparelho esteja machucando, não o remova por conta própria. Entre em contato com o ortodontista e guarde as peças soltas. Não tente remover o aparelho em hipótese alguma. Tome cuidado para não ingerir nenhuma peça que tenha soltado.

5- Acompanhamento periódico;

Você deve manter controles clínicos periódicos para a prevenção de cáries e doenças gengivais.

Um dos efeitos colaterais do tratamento ortodôntico é a diminuição das raízes dos dentes. Este efeito está diretamente relacionado ao tempo do tratamento. Por isso, o tratamento deve ser feito no menor tempo possível. Estes efeitos colaterais são monitorados através de radiografia a cada 6 meses. Não deixe de fazer a radiografia quando solicitado.

6- Não falte à sua consulta;

A frequência das consultas deve ser indicada pelo ortodontista e influencia diretamente no resultado e no tempo do tratamento.

Todo mês você receberá no seu Whatsapp, um link de confirmação de consulta. Utilize-o para confirmar seu agendamento. Se não puder comparecer à consulta, pedimos a gentileza já deixar agendado um novo atendimento.

 

Equipe Villa Odontologia Avançada

Fale Conosco

Whatsapp Ligar Agora

O que são os protetores bucais esportivos?

Para que servem os protetores bucais?

 

Os protetores bucais  são estruturas que devem ser usadas para proteção dos dentes durante esportes de impacto.

Criados em 1920 pelo boxeador Kid Lewis, os protetores bucais se tornaram obrigatórios para a prática de esportes de alto impacto como as lutas. Atualmente foi estimado que 13 a 39% dos traumas dentários acontecem durante a prática de algum esporte. E os dentes mais lesados são os incisivos centrais superiores.

Os dentes são órgãos que não tem a capacidade de cicatrizar, por isso, um impacto deve ser evitado pois,  geralmente é gerado um transtorno para se recuperar.

Estima-se que 200.000 lesões dentárias são evitadas por anos somente com a obrigação de se usar os protetores durante os jogos de futebol americano.

Além de proteger os dentes, os protetores protegem também bochechas, lábios e articulação temporomandibular.

Como é um protetor bucal ideal?

O protetor bucal ideal deve ser de fácil acesso financeiro, confortável, resistente e durável e liso. Não podem dificultar a respiração e devem ser firmes. São projetados para se adaptarem aos dentes superiores, porém em alguns casos podem também se apoiar nos dentes inferiores.

Três tipos de protetores bucais estão disponíveis no mercado: de estoque, do formato da boca e personalizado.

Os protetores de estoque são os protetores que menos protegem. Eles já vem prontos em um formato padrão. Geralmente não se adaptam tão bem nos dentes, ficam bambos, e são feitos de um material bem maleável. Geralmente limitam a fala e a respiração bucal.

 

 

 

Os protetores do formato da boca são protetores que são conformados de acordo com os dentes do paciente por um material maleável com a água quente.  São de baixo custo e baixa durabilidade. Oferecem médio conforto e pouca proteção.

 

 

 

Os protetores personalizados são os mais indicados para a proteção dos dentes. Envolvem um um dentista pra a sua confecção. São produzidos a partir de uma réplica dos dentes do paciente. Sua forma e matérial são decididos após um exame detalhado da anatomia do paciente e do esporte a ser praticado. Desenhos, cores enfeites são decididos antes junto com o dentista. Alguns ajustes podem ser necessários para maior conforto do paciente.

O tempo de confecção da primeira consulta até o ajuste final geralmente envolve uns 10 dias.

Protetores bucais, mesmo os confeccionados pelos dentistas por um preço maior são considerados muito baratos pois,  os custos necessários para a reconstrução de um dente quebrado podem exceder a 20 vezes ao custo do aparelho.

 

 

 

 

Por: Dr. Lucas Marques

Especialista em Ortodontia

Especialista em Disfunção Temporomandibular

 

Fale Conosco

Whatsapp Ligar Agora

 

Preciso de aparelho antes de fazer implante?

Por: Dr. Ricardo Valadares

Escrevemos hoje sobre o tema que mais se erram na odontologia. Muitos erros acontecem por falta de conhecimento ou falta de ética do profissional que executa o trabalho. O que vem primeiro, ao tratamento ortodôntico ou a colocação do implante? O que acontece quando colocamos o implante sem a avalição de um ortodontista?

Em primeiro lugar temos que reconhecer que o paciente que precisa de uma reabilitação com implantes não é simplesmente um dente faltando. Mas sim um complexo dinâmico muitas vezes traumatizado pela falta de um ou mais elementos dentários que comprometem a estética e função. Porém, apesar da ansiedade do paciente em reabilitar, um estudo e um projeto detalhado deve ser feito para a reabilitação.

Quantos dentes foram perdidos? Há quanto tempo? Como está a estrutura óssea da região onde o dente foi perdido? Como estão os outros dentes? Algum dente saiu do lugar após a perda ? São questões que devem ser avaliadas pelo profissional.

Antes de começar uma reabilitação com implantes, vamos entender algumas questões:

  • Implantes podem ser considerados como elementos dentários normais e definitivos para mastigação e estética. Porém são estruturas que não sofrem movimentações com aparelho. Ou seja. Uma vez colocados em um espaço eles não se movimentam nem com aparelho.
  • Antes da perda dentária o paciente precisava de usar aparelho? Se a resposta foi sim, é bem provável que seja necessário um tratamento ortodôntico antes do implante.
  • Se após a perda do dente algum elemento dentário sofreu movimentação e saiu do lugar ou invadiu o espaço do dente perdido este elemento dentário precisa voltar para o espaço inicial para recuperar o espaço perdido.
  • Para a colocação do implante, o espaço tem que ser do tamanho correto. Muitas vezes, o espaço do dente está insuficiente ou diferente do dente análogo do outro lado e o espaço precisa ser recuperado.
  • Elementos anteriores devem ser meticulasamente medidos e os espaços programados para que um dente não fique diferente do outro causando assimetria de tamanho prejudicando a estética.

 

Assim, não é regra, não existe receita de bolo. O certo é que se existem especialistas diferentes. Compartilhar informações deve ser a conduta mais certa antes de fazer um implante. Antes de colocar o implante, o paciente deve ser avaliado pelo ortodontista e um consenso entre o ortodontista, implantodontista e o paciente deve acontecer. Da mesma forma, um paciente que possui uma perda dentária e quer usar aparelho deve ser avaliado pelo implantodontista para ser definido o tamanho dos espaços para uma posterior reabilitação.

Em resumo, a perda de um elemento dentário invariavelmente acarreta a movimentação dos dentes adjacentes. E uma vez colocado os implantes, estes nunca mais se movimentam e nem os dentes ao lado podem sofrer movimentação. Assim, todos os dentes devem ser posicionados de maneira correta antes do implante. Porém, em alguns casos o implante pode sim ser colocado antes do aparelho. Cabe ao implantodonsita e ao ortodontista a decisão em conjunto. Existem casos até que os implantes facilitam a movimentação ortodôntica e devem ser colocados antes ou durante o tratamento ortodôntico.

 

Por isso é que sempre falamos. Não existe regra e cada caso é um caso.

O certo é o planejamento da equipe como o projeto de uma casa é feito para que tudo dê certo no final.

Ética é o nome. Trabalho multidisciplinar é o nome.

 

Conheça nossa clínica

 

 

Dr. Ricardo Valadares

Especialista em Reabilitação Oral

 

O que é a Mordida Cruzada.

Por: Dr. Lucas Marques

Talvez a alteração oclusal mais prejudicial para o paciente seja a famosa mordida cruzada.

Afinal, o que é a mordida cruzada?

A mordida cruzada é a alteração oclusal que acontece quando os dentes principalmente posteriores ocluem (mordem) por dentro dos dentes inferiores.

Esta má oclusão é muito frequente e acontece desde a infância.

São muitos os fatores que podem causar a mordida cruzada. Entre eles, hábito de chupar o dedo ou chupeta, problemas respiratórios, nascimento errado dos dentes e respiração bucal.

A grande preocupação com esta anomalia por parte dos ortodontistas é que pode acontecer em uma idade muito precoce na criança e prejudicar todo o crescimento facial estimulando o crescimento assimétrico.

Uma vez que a maior parte do crescimento facial acontece até os 6 ou7 anos da criança, um estímulo errado nesta idade pode trazer consequências irreversíveis. Assim, ao ser diagnosticado uma mordida cruzada, esta deve ser tratada o mais rápido possível.

Sempre se pergunta quando deve ser iniciado um tratamento ortodôntico. A resposta é bem certeira. O tratamento ortodôntico deve ser o mais precoce possível quando diagnosticada uma mordida cruzada. Algumas vezes até aos 4 anos de idade para evitar assimetrias faciais.

Quais as consequências da mordida cruzada em crianças?

O maior problema da mordida cruzada é a alteração esquelética que ela causa. Deficiência de crescimento da maxila, aumento do crescimento da mandíbula, falta de espaço para os dentes superiores permanentes e a já falada assimetria facial.

Como a criança não consegue morder da maneira correta, ela estimula o crescimento do osso da mandíbula de maneira errada e que causa uma assimetria facial como um lado crescendo mais que o outro. E uma vez que o crescimento acontece de maneira errada não se pode reverter.

Tratamento

O tratamento da mordida cruzada se dá de maneira bem tranquila se abordado precocemente. Geralmente é utilizado um aparelho chamado disjuntor palatino para o tratamento que pode variar de 6 a 12 meses. Até os 12 anos a correção da mordida se dá de maneira tranquila. Porém, muitas vezes a assimetria facial causada pela mordida cruzada pode ser irreversível mesmo corrigindo a posição dos dentes.

No paciente adulto esta correção já fica limitada e pode ser necessário uma abordagem cirúrgica para descruzar a mordida.

O tratamento ortodôntico do paciente em fase de crescimento é chamado de interceptativo pois tem o objetivo de interceptar uma maloclusão que está se formando. É talvez um dos mais bonitos tratamentos oferecidos pela odontologia pela capacidade de tratar e prevenir alterações graves através de um estímulo de crescimento. Pacientes tratados nesta fase conseguem melhores resultados funcionais e estéticos.

Dr. Lucas Marques

Especialista em Ortodontia.

Especialista em Disfunção Temporomandibular

 

O que são Alinhadores, Invisalign e Aparelhos Invisíveis? Entenda esta técnica para correção dos dentes.

A técnica de alinhamento dos dentes com aparelhos invisíveis começou a ser desenvolvida pela marca Invisalign no início dos anos 2000. De lá para cá tem se tornado uma técnica muito utilizada em todo o mundo. E hoje, estima-se que só pela Invisalign já tenha sido tratado mais de 10 milhões de pessoas.

Esta técnica tem sido a primeira escolha para pacientes que se preocupam com a estética ou em pacientes adultos que já passaram por um tratamento ortodôntico em outra fase da vida e que já não querem mais os aparelhos fixos, mas precisam de alguma correção ainda.

Quais as vantagens do tratamento com Alinhadores?

Estética: Os alinhadores são moldeiras transparentes praticamente imperceptíveis que passam despercebidas em uma conversa normal. São feitas de plástico transparentes que se encaixam perfeitamente nos dentes.

Conforto: Quando se fala em conforto, a técnica se apresenta muito vantajosa em relação ao tratamento com aparelhos fixos. Em primeiro lugar, as moldeiras são confeccionadas perfeitamente na forma dos dentes e da arcada dentária dos pacientes, sem pontas, ou acessórios que causem desconforto. Em segundo lugar, podem ser removidos para alimentar, para a limpeza ou algum evento que não queira ser utilizado.

Previsibilidade: Como os movimentos dentários são planejados de maneira digital primeiro, o ortodontista experiente precisa utilizar de todos os conceitos de sua especialidade para o planejamento do caso. Porém, toda movimentação dentária é feita e medida utilizando os recursos digitais para depois confeccionar os aparelhos. Com os modelos digitais, é possível ver o resultado final antes mesmo de se iniciar o tratamento.

Fácil Limpeza: Como os aparelhos são removíveis, fica fácil a limpeza tanto dos dentes quanto dos alinhadores. O fio dental pode ser utilizado normalmente e a saúde tanto dos dentes quanto da gengiva fica garantida pela facilidade de limpeza.

Quais os passos para se iniciar um tratamento com Invisalign?

Primeiro passo: Consulta inicial com o ortodontista

Nesta consulta, serão discutidas as alterações a serem tratadas, expectativas do paciente e possibilidades do tratamento. Serão solicitados os exames complentares para o diagnóstico.

Exames complementares: Também chamada de Documentação Ortodôntica.

Exames de RXs:  para conferir o tamanho e forma das rizes dos dentes, e estruturas ósseas associadas.

Escaneamento Digital: Nesta etapa serão feitas as réplicas 3D dos dentes para serem estudados e planejado todo o tratamento. Com o escaneamento digital que são feito as simulações dos resultados.

Fotografias: As fotografias são feitas para documentar o estado inicial do paciente e ajudam no estudo do caso.

Segundo Passo: Planejamento do Caso

Uma vez que a documentação Ortodôntica está pronta o trabalho de planejamento do caso fica por conta do ortodontista. Neste momento, será aplicado todo o conhecimento e conceitos utilizados também na ortodontia fixa para o planejamento. Porém toda a movimentação dentária é planejada primeiramente no computador. Cada movimento dentário é medido e analisado para que tudo dê certo.Terceiro

 

Terceiro Passo: Confecção dos Aparelhos

Após o planejamento do caso, os aparelhos vão para a confecção e dentro  de alguns dias o tratamento se inicia. Durante o tratamento são feitos novos registro 3D para avaliar a movimentação dos dentes.

O tratamento com Alinhadores é mais rápido ?

Sabemos que o que define o tempo do tratamento é a velocidade com que os dentes é capaz de se movimentar. Esta velocidade é a mesma utilizando o aparelho fico ou os alinhadores. Porém, muitas vezes com o planejamento digital, consegue-se realizar alguns movimentos consecutivos que agilizam e diminuem o tempo de tratamento com alinhadores.

 

Em Venda Nova, a Villa Odontologia é a pioneira em tratamento com alinhadores e Invisalign. Na Clínica mesmo é possível fazer o escaneamento 3D agilizando o início do tratamento.

Saiba mais AQUI

Conheça nossa Clínica:

villaodontologia.com.br

 

 

 

Odontopediatria: Chupar dedo e chupeta faz mal ao seu filho?

Muitos pais querem saber sobre o impacto de seus filhos sugando polegares ou chupetas. Para os bebês, é uma maneira de entrar em contato e aprender sobre o mundo. Na verdade, os bebês começam a chupar os dedos mesmo antes de nascerem. Este tipo de sucção é completamente normal para bebês e crianças pequenas. Ele fornece segurança.

O que podem causar?

Algumas crianças mantêm o hábito longo. Para estas crianças, os dentes primários dianteiros superiores podem dobrar para o lábio ou não entrar adequadamente. Os hábitos frequentes ou intensos durante um período prolongado de tempo podem afetar a forma como os dentes da criança se juntam, bem como o crescimento dos maxilares e ossos que suportam cada dente primário.

Uma chupeta não é melhor do que um polegar ou um dedo. A sucção de qualquer um deles pode afetar os preciosos dentes primários e as mandíbulas do seu filho, essencialmente da mesma maneira. Por algum motivo, um hábito de chupeta é muitas vezes mais fácil de quebrar.

O que os especialistas recomendam?

Especialistas em Odontopediatria recomendam que seu filho deixe o hábito da chupeta aos 2 anos. O uso prolongado de chupeta após essa idade é mais provável que cause certo tipo de má oclusão dentária chamada mordida cruzada posterior do que chupar dedos ou polegares.

A maioria das crianças para de chupar por conta própria, mas algumas crianças podem precisar de uma pequena ajuda de mãe e pai e possivelmente do seu Dentista que já acompanha a criança.

De quanto em quanto tempo devo levar a criança ao dentista?

O mais indicado é que os pais levem regularmente a criança ao Odontopediatra, para análises preventivas, que irão ajudar a prevenir uma série de outros problemas que podem ocorrer no futuro.

Com quantos anos a criança deve perder o hábito?

A maioria das crianças deixa de chupar seus polegares, chupetas ou outros objetos por conta própria entre 2 e 4 anos de idade, mas em alguns casos precisam de ajuda dos pais, familiares e seus dentistas Odontopediatra.

O ideal é que essa criança seja estimulada á outros tipos de distrações durante seu dia-a-dia.

Se você gostou deste conteúdo e seu filho ainda possui estes hábitos que podem prejudicar sua saúde bucal, agende uma consulta sem compromisso com um de nossos especialistas clique abaixo.

 

Por que usar aparelho nos dentes? Veja 4 vantagens!

A ortodontia é uma especialidade voltada para fazer a movimentação, de maneira gradual, de dentes e ossos maxilares. Como é uma área que não para de avançar tecnologicamente, atualmente é um tratamento que pode ser realizado com diferentes tipos de aparelhos, inclusive com opções bem mais discretas do que o fixo metálico tradicional.

Dessa maneira, não só adolescentes e crianças podem passar pelo procedimento: os adultos também podem usar aparelho sem se preocupar com impactos em sua aparência.

Mas, afinal, por que usar aparelhos nos dentes? Se você tem essa dúvida, vai gostar de acompanhar este post. Continue a leitura e descubra 4 vantagens do tratamento ortodôntico!

1. Sorriso alinhado

O aparelho ortodôntico vai corrigir dentes tortos e apinhados e, ainda, diastemas (espaços entre os dentes). Dessa maneira, você vai poder exibir um sorriso bonito e harmônico, com os dentes em suas posições corretas.

Além da questão estética, é um tratamento que vai contribuir para evitar problemas bucais, pois ficará mais fácil fazer a escovação, eliminando todos os restinhos de alimentos. É, portanto, até uma maneira de prevenir cárie, gengivite e mau hálito.

2. Correção da mordida

Além de alinhar os dentes, o aparelho ortodôntico vai corrigir a mordida, que são casos em que as arcadas não se encaixam da maneira adequada. Esse desalinhamento é causado por problemas ósseos na face ou por alguns hábitos de infância, como o uso da mamadeira ou chupeta.

São situações que trazem um incômodo para a estética do sorriso, mas também podem dificultar a mastigação. Dessa maneira, o uso do aparelho vai trazer não só ganhos para a aparência, mas também qualidade de vida para o paciente.

3. Fim das dores articulares e musculares

Para muitas pessoas, o sorriso desalinhado ou problemas de mordida podem comprometer muito mais que a aparência, pois resultam em uma tensão nos músculos que fazem a mastigação.

Esse quadro leva a problemas na articulação temporomandibular (ATM), causando fortes dores no maxilar e de cabeça. O tratamento ortodôntico vai permitir que essa estrutura trabalhe em equilíbrio, ou seja, sem causar dores ou outros incômodos ao paciente.

4. Melhora da autoestima

Muitas pessoas têm receio de mostrar os dentes tortos e, dessa maneira, ficam com vergonha ao falar, sorrir ou até mesmo se alimentar em público. Com isso, acabam se isolando, o que traz vários prejuízos ao convívio social.

Com o aparelho, o paciente vai gostar mais de si mesmo. Dessa forma, vai se sentir mais confiante e seguro ao exibir um sorriso bonito, o que vai proporcionar ganhos em todos os aspectos da sua vida, inclusive profissionais.

Por que usar aparelho nos dentes? Simplesmente por uma questão de estética e saúde, já que esse tratamento pode transformar a vida dos pacientes, com um sorriso bonito, qualidade de vida e também elevando sua autoestima. A única precaução é colocar o aparelho em clínicas com profissionais especializados e atualizados na área.

Se você é de Venda Nova, em Belo Horizonte, venha conhecer a Villa Odontologia Avançada: converse com nossa equipe de especialistas, tire todas as suas dúvidas sobre o tratamento ortodôntico e fique por dentro das opções mais tecnológicas de aparelhos disponíveis e conheça o tratamento feito pelos alinhadores!

Quanto tempo demora para tirar o aparelho fixo e colocar o móvel?

Só quem usa ou já usou aparelho ortodôntico sabe quão longa é a trajetória e como é esperado o momento de tirar o aparelho fixo e colocar o móvel. Muitas pessoas pensam que ao tirar o aparelho fixo ficará livre de uma vez por todas, só que não é bem assim que funciona.

Neste post, falamos um pouco sobre a duração do tratamento ortodôntico e a importância do uso correto do aparelho móvel. Se quiser saber a duração do tratamento e por quanto tempo é preciso usar o aparelho móvel, continue lendo. Boa leitura!

Quais são as etapas do tratamento ortodôntico?

O tratamento contém diversas etapas. São elas:

  1. Exames, diagnóstico e planejamento do caso: nessa etapa, o ortodontista realiza o exame clínico, solicita toda a documentação ortodôntica, faz o diagnóstico do caso e planeja o tratamento;
  2. Instalação do aparelho fixo: o profissional realiza a colagem dos braquetes, bandagem dos molares (dentes que recebem a banda ortodôntica), instalação de demais peças acessórias e colocação do fio ortodôntico. Nessa fase, o paciente recebe as instruções sobre os cuidados necessários com o aparelho e com a correta higienização para manter a saúde bucal;
  3. Alinhamento e nivelamento: nesse momento, são realizadas as correções de posição e giro dos dentes. Em geral, não é uma fase tão dolorosa do tratamento, pois as movimentações costumam ser de leve intensidade;
  4. Correções transversais: essa fase do tratamento é indicada para pacientes com mordida cruzada (quando os dentes superiores ficam posicionados mais para dentro dos inferiores ao morder);
  5. Correções sagitais: essa é a hora de corrigir o posicionamento entre as arcadas superiores e inferiores. Nessa fase, os pacientes são classificados em Classe I, II ou III de Angle. Cada classificação requer um tratamento diferente, por exemplo: a Classe I é considerada a ideal e não precisa de tratamento; a Classe II ocorre quando a arcada superior fica a frente da inferior; na Classe III, ocorre o contrário (a arcada inferior fica a frente da superior). Em dois casos o tratamento é determinado conforme a origem do problema: se for de origem óssea, o tratamento cirúrgico é o mais indicado; se for de origem dentária, somente as movimentações resolvem o problema;
  6. Correções verticais: nessa fase, o paciente também recebe uma classificação que é dividida em mordida profunda ou sobremordida e mordida aberta. A mordida ideal é aquela em que os dentes superiores recobrem 3mm dos inferiores, se a medida estiver abaixo dos 3mm é classificado como mordida aberta e se estiver acima como mordida profunda ou sobremordida. Pacientes jovens podem usar outros tipos de aparelho para corrigir o problema; em adultos, o aparelho fixo resolve o problema.

Por que preciso tirar o aparelho fixo e colocar o móvel?

Quando o tratamento chega ao final, os dentes ainda não está completamente “adaptados” às novas posições. O uso da contenção ajuda, portanto, o dente a se manter e se estabilizar na posição correta.

Não há garantias de que os dentes permanecem na posição correta pelo resto da vida, mas o uso correto da contenção permite que eles não retornem a suas posições originais por um longo tempo.

É importante realizar visitas ao seu ortodontista a cada 3 ou no máximo 6 meses, após tirar o aparelho fixo e colocar o móvel, para avaliar a estabilidade do caso. Se você ainda não iniciou seu tratamento ortodôntico, pesquise e converse com o seu ortodontista sobre os tipos de aparelhos dentários disponíveis e saiba qual é o mais indicado para você.

Dentes anteriores separados: como resolver esse problema?

Para algumas pessoas, ter os dentes da frente separados é um verdadeiro charme. Prova disso é que a característica é comum entre algumas personalidades famosas, como Madonna e Brigitte Bardot.

Por outro lado, alguns pacientes ficam profundamente desconfortáveis com a situação e sentem-se inseguros com a estética do sorriso. Independentemente do caso, vale destacar que, de um modo geral, ter os dentes separados não representa nenhum tipo de problema de saúde.

Ainda assim, poucas pessoas entendem o que causa essa separação e como resolvê-la. Se você quer se informar sobre o tema, então, está no lugar certo. Leia este artigo e fique por dentro! Vamos juntos mais uma vez?

Afinal de contas, o que causa a separação dos dentes?

O diastema central é o nome formal para a condição de quem tem os dentes da frente separados. Ele pode acontecer em qualquer parte da arcada dentária e, como você deve imaginar, as causas para essa situação podem ser bem variadas.

A principal delas é uma desproporcionalidade entre o tamanho dos maxilares e o tamanho dos dentes, ou seja, uma questão genética. Caso os dentes sejam muito pequenos em um maxilar grande (ou, ainda, a combinação dos dois fatores), é bem provável que a separação aconteça.

Outra causa comum é a ausência de nascimento de alguns dentes. Como essa situação acaba promovendo um espaço maior na boca, pode acabar ocasionando um afastamento. Para finalizar as principais razões, não poderíamos deixar de citar a presença do freio labial, tendo em vista que ela pode acabar por favorecer o espaço entre os dentes.

Para fechar, lembre-se de que existem também causas menos comuns, como um distanciamento depois do uso de aparelho, pressão da língua por alguns hábitos, doenças dentárias e até sucção exagerada do dedo na infância.

Como resolver o problema?

De um modo geral, a separação dos dentes não precisa de tratamento (a não ser que represente problemas de fala ou deformidades da arcada dentária). Ainda assim, existem alternativas que podem ser usadas para resolver o situação, caso o paciente queira.

Uso do aparelho ortodôntico

O aparelho ortodôntico é a primeira conduta para quem quer tratar os dentes da frente separados. Nada mais natural, já que a prática traz resultados consistentes e rápidos. Essa técnica alinha e corrige os dentes, fechando os espaços entre eles ou prepara os dentes para a reabilitação com próteses ou aumento no tamanho dos dentes .

Utilização de próteses fixas

As próteses fixas também podem ser verdadeiras aliadas nesse caso. As alternativas podem ser variadas, indo desde as coroas até as famosas lentes de contato dentais. Elas são instaladas de forma cada vez mais prática e fácil (e trazem consigo uma solução mais imediata).

Preenchimento com resina

Quando os espaços são pequenos, um preenchimento com resina composta costuma ser mais que o suficiente para resolver a questão.

Implante dentário

Por outro lado, caso exista um espaço muito grande, pode ser o caso de avaliar a possibilidade de colocar um implante dentário.

Quem pode tratar a situação?

O dentista é, sem sombra de dúvidas, a melhor pessoa para tratar a separação dos dentes. Para conquistar os resultados que você espera, procure um profissional capacitado e com os conhecimentos necessários para solucionar problemas desse tipo.

Uma dica importante é considerar as tecnologias utilizadas na clínica e/ou consultório. Pesquise por um local que esteja atento às novidades de mercado e desfrute das facilidades que isso pode trazer!

Depois de entender um pouco melhor como resolver a situação de quem tem (e se incomoda com) os dentes da frente separados, esteja atento para as possibilidades que compartilhamos aqui. Converse com o seu dentista sobre a melhor alternativa para o seu caso e lembre-se de que ele conta com toda expertise para ajudá-lo nesse momento!

Se você gostou do nosso material e quer continuar acompanhando os outros conteúdos que temos produzido, então, assine a nossa newsletter agora mesmo. Essa é uma forma de receber tudo na sua caixa de entrada. Nós nos encontramos por lá.

Conheça 4 tipos de aparelhos dentários e escolha o melhor!

A ortodontia utiliza diferentes tipos de aparelhos dentários para atender às necessidades dos pacientes, com a função de solucionar problemas bucais e trazer outros benefícios, como melhoras na mastigação e dicção, além dos ganhos estéticos.

Você já conhece os modelos que podem ser usados no tratamento ortodôntico? Eles podem ser fixos, móveis, transparentes, estéticos ou coloridos — cada um com indicações específicas conforme as necessidades do paciente.

Neste texto, explicamos como funcionam 4 tipos de aparelhos ortodônticos para que você conheça cada um deles. Confira!

1. Aparelho fixo convencional

Esse é o modelo mais conhecido entre os tipos de aparelhos dentários. Ele conta com pecinhas (bráquetes) coladas individualmente em cada dente e ligadas por um fio metálico (arco ortodôntico).

O fio é fixado ao aparelho por elásticos, que são confeccionados em diversas cores. Por permitir a mudança na cor a cada manutenção, essa costuma ser uma opção desejada pelas crianças e pelos adolescentes. Por ser fixo, torna-se mais prático, já que não exige disciplina em relação ao tempo de uso.

Porém, é fundamental comparecer às manutenções para dar continuidade ao tratamento. O paciente também deve ter cuidados especiais para não quebrar os bráquetes ou romper os fios e redobrar a atenção à higienização.

O aparelho fixo também pode ser desenvolvido em modelos estéticos. Nesses casos, eles são confeccionados em materiais que imitam a cor dos dentes, como porcelana, safira ou policarbonato, deixando-os mais discretos.

2. Aparelho fixo autoligado

O aparelho autoligado é semelhante ao convencional, com uma diferença: ele não precisa das borrachinhas para fixar os fios aos bráquetes. As próprias peças permitem o encaixe do arco ortodôntico.

Essa diferença garante algumas vantagens, como redução do atrito e do desconforto, maior eficiência no tratamento e manutenções mais espaçadas, exigindo menos tempo do paciente. Vale lembrar que esse aparelho dentário também pode ser confeccionado nos modelos estéticos para garantir um sorriso mais discreto.

3. Aparelhos móveis e ortopédicos

Esses aparelhos dentários são aqueles que podem ser removidos pelo paciente para determinadas atividades, como refeições e higienização. Contudo, eles exigem disciplina, pois devem ser usados pelo período indicado pelo dentista para atingir os objetivos desejados.

Os aparelhos móveis podem ser indicados em diferentes situações. No caso dos modelos ortopédicos, a função é inibir ou estimular o crescimento, ou direcionar o posicionamento da maxila ou da mandíbula. Nesses casos, eles são mais utilizados no tratamento de crianças.

Além disso, esse modelo também é usado para manter o alinhamento dentário após o término do tratamento com aparelho fixo, agindo como contenção para evitar que os dentes retornem à posição anterior.

4. Aparelho invisível

Os aparelhos invisíveis representam uma tendência na ortodontia. Usando tecnologias específicas, o tratamento utiliza um conjunto de aparelhos móveis que são usados em sequência pelo paciente, conforme a sua evolução.

Não são utilizados bráquetes ou fios, mas alinhadores confeccionados individualmente. O dentista planeja o tratamento para confeccionar as placas e o paciente deverá usá-las de acordo com a indicação, substituindo-as, geralmente, a cada duas semanas, em média.

Eles são bastante discretos, fáceis de higienizar e podem ser retirados para atividades específicas. Por isso, trazem mais conforto para os pacientes, além dos benefícios estéticos.

Como vimos, os tratamentos podem ser feitos com diferentes tipos de aparelhos dentários. No entanto, para identificar a melhor opção para o seu caso, é fundamental consultar um dentista de confiança.

Gostou deste post? Se você está em busca de um consultório odontológico especializado em Venda Nova, Belo Horizonte, entre em contato com a Villa Odontologia e saiba mais sobre os tratamentos disponíveis!